Hiram Abif ou Adonhiram? – Simbologia Maçônica dos Painéis

– Irm.·. Alec Mellor in Dicionário da Franco-Maçonaria e dos Franco Maçons: “As Escrituras falam de Adoniram somente como o encarregado das corvéias quando da construção do Templo do rei Salomão, mas, em 1744, Louis Travenol publicou sob o nome de Léonard Gabanon o seu Catéchisme dés Francs Maçons ou Le Secret dés Francs Maçons [Catecismo dos Franco-Maçons ou o Segredo dos Franco-Maçons], onde confundia Adoniram com Hiram Abif.

Como Adon significa em hebraico “Senhor”, essa palavra apareceu como um prefixo de honra. Os ritualistas dividiram-se. Para uns, Adoniram e Hiram eram a mesma personagem. Outros sustentavam a teoria dualista, mas divergiam quanto aos papéis respectivos de Adoniram e de Hiram na construção do Templo, uns sustentando que Adoniram não fora senão um subalterno enquanto outros nele viam o verdadeiro herói da lenda do 3º grau.

Foi assim que nasceu uma Franco-Maçonaria dita adoniramita, oposta, pelos seus teóricos, à dos “hiramitas”. Ela é conhecida por nós sobretudo pelo Recueil précieux de La Maçonnerie Adonhiramite [Coletânea preciosa da Maçonaria Adonhiramita], publicada em 1782 por Louis Guillermain de Saint-Victor, e atribuída por Ragon sem qualquer fundamento a Tschou-dy. Essa coletânea abrange os quatro primeiros graus. Foi completada, em 1785, por uma coletânea relativa aos Altos Graus do Rito (com 12 graus) (…) Esse Rito, hoje desaparecido (nota: foi preservado somente no Brasil e passou a ser praticado há poucos anos atrás também em Portugal), não apresenta somente um interesse histórico. Esclarece-nos sobre a psicologia dos fabricantes de Altos Graus (nota: no Brasil, passou a ter 33 graus), assim como sobre o de suas vítimas. O fato de que, graças a um contrassenso, todo um Rito maçônico possa ter se constituído e prosperado durante longos anos é, nesse sentido, significativo”.
– Irm.’. Nicola Aslan in Dicionário Enciclopédico de Maçonaria e Simbologia: “A crítica de Alec Mellor é tão severa quanto injusta. O Maçom que é iniciado num Rito aceita-o sem geralmente conhecer a existência de outros. E também não lhe conhece a história. Ele entra apenas para a Maçonaria. Nem um erro histórico e nem um contrassenso inicial podem inutilizar um Rito, que sempre contém a doutrina, as tradições e os usos e costumes da Maçonaria”.
– Comentário do Simbologia Maçônica dos Paineis: Conquanto indubitavelmente o personagem central da lenda do grau de mestre seja Hiram Abif e não Adonhiram, como afirma o Irm.’. Alec Mellor, o fato do Rito Adonhiramita ter confundido o personagem, não merece suas pesadas críticas, como nos ensina o Irm.’. Nicola Aslan. Para nós, Maçons brasileiros, o fato do Rito Adonhiramita ter adormecido no mundo todo e ter sido por nós preservado é de inestimável importância histórica, pois a primeira Potência Maçônica brasileira, o Grade Oriente do Brasil, foi fundada em 1822 nesse belo Rito. E essa preservação já está rendendo frutos, pois recentemente foi “exportada” para Portugal, país que o introduziu no Brasil.

TFA.·.

Autor: Irm.·. Almir Sant’Anna Cruz (Membro da Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro – AMACLERJ)

 

ÚLTIMOS EXEMPLARES

LIVRO SIMBOLOGIA MAÇÔNICA DOS PAINÉIS: LOJAS DE APRENDIZ, COMPANHEIRO E MESTRE (3ª edição).

CONTEÚDO: Introdução; O Segredo da Maçonaria; A Origem da Maçonaria; O REAA.·.; Os Painéis; O Livro da Lei e interpretação da abertura nos 3 Graus Simbólicos; Os Painéis das Lojas de Aprendiz, Companheiro e Mestre (com o significado e interpretação de todos os símbolos constantes nos oito Painéis em uso pelos Ritos e Potências brasileiras: 3 no Grau 1, 3 no Grau 2 e 2 no Grau 3); Conclusão (À Guisa de Lenda Maçônica); Bibliografia – 277 páginas – ilustrado

Interessados entrar em contato inbox com a página Simbologia Maçônica dos Painéis (https://www.facebook.com/simbologiamaconica.dospaineis)