O novo “pin” do E.·.C.·.M.·.A.·.

Quem se fez presente no 1º Simpósio da Maçonaria Adonhiramita, em agosto de 2017, foi presenteado na sua inscrição com um pingente (pin) em formato de esquadro e um corpo humano substituindo o compasso, como este:

Certamente o que chamou mais a atenção dos irmãos foi justamente a substituição do compasso pelo corpo humano, e muitos ficaram sem entender do que se realmente se tratava.

Pois bem, na verdade, o embasamento para este desenho vem da Constituição do Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita, onde reza:

Intelectualmente, o Compasso é a imagem do pensamento nos diversos círculos que este percorre; os afastamentos e as aproximações dos seus lados figuram os diversos tipos de raciocínio que, segundo as circunstâncias, devem ser abundantes e largos, precisos e fechados, mas sempre claros e persuasivos.

Oswald Wirth faz notar que o “compasso dá a sensação de um infinito-tempo limitado no espaço”.

Para Wirth, o Compasso é o símbolo do relativo. Acrescenta que o “compasso”, lembrando a figura humana, tem uma cabeça e dois braços, estes podendo se afastar à vontade.

Em seu maior afastamento eles são a medida que pode alcançar o gênio humano, o conhecimento depois do qual se estende a imensidade misteriosa do inexplorado, provisoriamente irreconhecível.

Gédale explica que “o círculo centrado pelo ponto é a primeira figura geométrica que se pode traçar com o auxílio do Compasso”.

“Essa figura é o emblema solar por excelência”, diz ele.

Retirado do Livro “Maçonaria Adonhiramita – Apontamentos – José Martins Jurado”

Fica explicado então a simbologia contida no pingente, que tão graciosamente nos levou a pesquisar sobre sua origem pela diferença apresentada.

Um T.·.F.·.A.·. a todos valorosos IIrm.·..